Governo dos Açores - Secretaria Regional da Educação, Ciência e Cultura - Direção Regional da Cultura

Cordeiro, José

 [N. Grotinha, Arrifes, ilha de S. Miguel, 27.2.1867- m. Ibid., 30.11.1908] Engenheiro, pioneiro da electrificação nos Açores. Estudou particularmente as matérias liceais e, a partir de 1884, tirou na Bélgica os preparatórios para a Escola de Pontes e Calçadas. Matriculou-se, em Paris, na École Centrale d´Arts et Manufactures, onde se licenciou em engenharia química (1893). Como profissional, trabalhou em França (1894), em fábricas de açúcar e estearina, e na Alemanha, em fábricas de álcool e cerveja. Regressou a S. Miguel para trabalhar na fábrica de álcool da Lagoa, mas partiu pouco depois para Lisboa, onde se empregou na Companhia de Gás (1895-96), e daí para Argentina e Chile, onde dirigiu uma pequena fábrica de salitre, movida a energia hidro-eléctrica. Voltou a S. Miguel com o intuito de montar instalações do género. Em 1899, conseguiu em Paris financiamento para o seu empreendimento, construindo albufeiras, em que foi utilizado pela primeira vez o cimento armado na ilha. Entre 1900 e 1905, montou a rede eléctrica em Vila Franca do Campo, Ribeira Grande, Ponta Delgada e Lagoa. Em 1907, comprou a fábrica de gás da Calheta, onde instalou a sede da sua Empresa de Electricidade e Gás, Lda. Realizou estudos experimentais sobre a beterraba em S. Miguel e foi autor de um projecto de viação eléctrica entre Ponta Delgada-Ribeira Grande e Ponta Delgada-Furnas, que não chegou a concretizar-se. A José Cordeiro pertenceu o primeiro *automóvel que circulou no arquipélago. Homem viajado, culto, extremamente dinâmico e empreendedor acabou por morrer muito jovem e não dar continuidade a projectos de vulto para o desenvolvimento da ilha. Carlos Enes (Fev.2001)

Bibl. Motta, A. A. R. (1953), ?José Cordeiro (engenheiro)?. Insulana, Ponta Delgada, IX: 41-61.