Governo dos Açores - Secretaria Regional da Educação, Ciência e Cultura - Direção Regional da Cultura


Documento do mês setembro 2023 | "O ARQUIVO DE NATÁLIA CORREIA NA BIBLIOTECA PÚBLICA E ARQUIVO REGIONAL DE PONTA DELGADA"

  • Divulgação Institucional/Institutional Release
  • Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Ponta Delgada
  • 2023-09-01 até 2023-09-30

O ARQUIVO DE NATÁLIA CORREIA

NA BIBLIOTECA PÚBLICA E ARQUIVO REGIONAL DE PONTA DELGADA

 

O arquivo de Natália Correia está depositado na Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Ponta Delgada[1] e é constituído por inúmeros manuscritos e dactiloscritos, notas de leitura, notas de viagem, textos biográficos, apontamentos diversos, recortes e exemplares de jornais, correspondência, fotografias, cadernos e agendas, onde a autora escrevia e tomava notas.

Para além de ler, a poeta estudava imenso: testemunho disso são os muitos apontamentos sobre os mais variados autores e temas, com especial destaque para os assuntos que lhe eram caros, como as origens de Portugal e as origens da Literatura Portuguesa, o culto do Espírito Santo, o panteísmo pentecostal e o politeísmo, a ilha plurívoca, o V Império, o mito sebástico, o Iberismo, o amor, o saudosismo,o misticismo, as religiões, as civilizações, a arte poética, o teatro, a Poesia Trovadoresca, o Romantismo, o Surrealismo, a simbólica, a estilística, os direitos humanos e o estado do mundo, a função do escritor, o princípio feminino. Os ensaios inéditos são de superior importância, uma vez que atestam o pensamento ecuménico, eclético, heterodoxo e pentecostal da escritora. Mas não só. Existem textos de ficção, textos dramáticos, um diário de extraordinária relevância, poesia inédita, como o poema que anexamos, revelador da visão do absoluto.[2]

O arquivo de Natália Correia permite uma descoberta a vários níveis: por um lado, confirma, conforme temos escrito, um compromisso com a humanidade; por outro lado, permite analisar os manuscritos autógrafos das obras publicadas e perceber as alterações motivadas pela revisão anterior à publicação ou, até mesmo, a dispensa de alguns textos que a autora acabou por não integrar nas versões finais. Mas não só. Este arquivo dá-nos conta do processo evolutivo da escrita e do pensamento: a título de exemplo, ficamos a conhecer uma riquíssima produção ensaística na década de oitenta – ensaios que colocam Natália Correia a par de Agostinho da Silva –, uma década já de alguma reclusão para a autora, nascida no desencanto trazido pela deriva de Portugal e do mundo.

No domínio da correspondência, para além das cartas trocadas com a mãe, com a irmã, com amigos e com admiradores, entre outros, é possível perceber o desassombro da autora durante a ditadura e datar a conclusão de algumas obras.

Nas décadas de cinquenta e de sessenta, a P.I.D.E., que já anteriormente violava a correspondência , vigiava a casa e fazia relatórios, baseados na perseguição sistemática da escritora, censurou e proibiu a circulação de oito livros. Eis o testemunho inédito de Natália, depositado neste arquivo:

 

«Pedem-me que diga algo sobre as devastações que a censura fez na minha obra. Creio que ela foi particularmente animadora dos saques censórios. Porquê esta eleição? Porque não confinei os meus ataques ao circuito meramente político do fascismo. A evolução do meu espírito foi-me colocando cada vez mais no campo da recusa global. Neste alinhamento revolucionário empreendi desmistificações das quais, a que mais cara me saiu foi afligir o puritanismo que serve de guardião a todas as ditaduras. Em dada altura pareceu-me eminentemente oportuno, lançar no charco do despotismo salazarista, a pedrada de um estudo dedicado ao erotismo e sátira fescenina, ilustrado antologicamente. O resultado foi uma cómica condenação que do alto do Plenário pretendia avassalar-me mas que me proporcionou jocosa oportunidade de dar razão a Nietzsche quando ele compara os juízes com os camelos. Como vêem não tenho vocação para vítima. (…) Nesta indisposição, das baionetas que sempre apontarei ao peito inchado dos poderes oito me foram confiscadas por mais insurrectas. Enumero-as: Dimensão Encontrada (poesia); Comunicação (poesia); Cântico do País Emerso (poesia); O Vinho e a lira (poesia); Antologia da Poesia Portuguesa Erótica e Satírica (estudo e antologia); O Homúnculo (teatro); O Encoberto (teatro); A Pécora (teatro).»[3]

 

A título de ilustração, apresentamos uma visão geral do arquivo e o pormenor de alguns cadernos.

Importa referir que, no conjunto imenso de documentos – estão contabilizados mais de 25.000 –, existem textos diversos, que não foram escritos por Natália Correia. Por outro lado, também existem pastas com documentos incompletos: neste caso, importa considerar as pastas com documentação dispersa, onde, muitas vezes, é possível completar os documentos.

 

Direitos de autor do texto – ÂA/BPARPDL

 

 

[2] Uma lampada precoce. Poema inédito, não datado (BPARPD. Arquivo Natália Correia, cx. 23, capilha 2741, doc. 84).

Incluído no conjunto de documentos com descrição disponível em: https://arquivos.azores.gov.pt/details?id=1225148.

[3] Pedem-me que diga algo…. Manuscrito autógrafo e dactiloscrito, não datado (BPARPD. Arquivo Natália Correia, cx. 44, capilha 3935-3936). Descrição disponível em: https://arquivos.azores.gov.pt/details?id=1226070.

 

Ver documento do mês

CONTACTOS PROMOTOR:

Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Ponta Delgada
Largo do Colégio s/n
9500-054 Ponta Delgada
Telefone: 296 305 040
Fax: 296 281 216

Ilha: São Miguel
Concelho: Ponta Delgada
Sítio: https://bparpd.azores.gov.pt/


Pesquisa

   
     

//and this too!

Em Foco:

A Agenda Cultural do portal Cultura Açores pretende facultar ao público o acesso à informação sobre os acontecimentos de carácter cultural em todas as ilhas dos Açores ou promovidos pelos Açores, no exterior do arquipélago.

Prestaremos um serviço sistematicamente mais eficaz, quanto maior for o número de agentes culturais a disponibilizarem informação sobre as atividades que promovem, contribuindo para a divulgação e promoção do calendário de eventos culturais dos Açores.

A Agenda Cultural dos Açores está à disposição de todos os promotores culturais, de forma acessível e gratuita. Para utilizar esta agenda, como meio de divulgação, contacte-nos através do e-mail [email protected] ou do telefone nr. 295 403 000 (Direção Regional dos Assuntos Culturais - Rede do Conhecimento dos Açores).

A Secretaria Regional da Educação, Cultura e Desporto/Direção Regional da Cultura não se responsabiliza pelas alterações, adiamentos ou cancelamentos de eventos divulgados através da Agenda Cultural dos Açores, que decorram de imprevistos e/ou incumprimento por parte dos promotores na atualização da informação sobre os mesmos.